Soncent

Soncent

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

1º dia de aulas


Hoje é o primeiro dia de aulas para umas mil e tal crianças, só cá em Soncent. Passo pela minha escola, a Praça Nova, todos os dias e ela estava, já se sabe, cheia de pais. Já era tarde, não deu para ver os meninos e meninas rígidos nas suas batas azuis por estrear, uns com caras de medo, outros, curiosidade, alegria?

Tentei lembrar-me do meu primeiro dia de aulas... E não consegui. Sou melhor a lembrar-me dos últimos dias de aulas...

E então deixo aqui um convite: algum de vocês lembra-se do seu primeiro dia de aulas e quer partilhá-lo connosco?

Fico à espera...

16 comentários:

João Teles Leite disse...

sim!!!
eu lembro-me!!!!
embora não pelos melhores motivos...
ehe
mas porque fiz um "pé de vento" quando cheguei à escola:
Não queria ficar!!!!!
E o meu Pai lá teve de usar da sua autoridade para me convencer...
;-))

Eileen disse...

Como assim fizeste um pé de vento? E porquê? Como é que ias vestido? Vais ter que dar mais pormenores... heheh

GiLia disse...

Olá!!!
Claro que lembro, não em sonCente mas em Lisboa :)
Lá ia eu de bata castanha, está frio pois à 27 anos as aulas começavam em outubro e por cima da bata um casaco de lá que minha mãe tinha feito. Levava lanche e eu e meu Pai formos o caminho de casa até á escola a conversar e ele a dizer que este seria um dia muito importante para mim e que ia conhecer mais meninos e que ia aprender coisas do mundo. Estava excitada que não dormi o dia anterior e eram 7h da manha já estava a pé.
Muito marcante mesmo.
Adorei :)
mas como Tu Eileen, o último dia é sab pra fronta!!!
Bijim Bijim

Eileen disse...

Que giro, Gilia! Bata castanha? Frio? É engraçado conhecer realidades diferentes. Já isso da excitação a impedir o sono, parece-me que se encontra em todo o sitio... obrigada pela partilha!

dudão disse...

lembro-me da 2ª classe, no cortiço, nakele corredor xeio de caras desconhecidas, gritava, esperneava, dava murros, chorava baba e ranho e disse à minha mãe: ka bo bai, ka bo txam li mi só.... e depois ser gozado pela minha escrita com influencia americana, pq não sabia ditinguir maiusculas de minusculas... criança é mau!!!! hehehehe... bata azul

cristal disse...

xiii! Há tanto tempo. Vai fazer precisamente 54 anos em 7 de Outubro próximo. A minha mãe foi levar-me à aula da D. Olinda onde eu ia ser a aluna mais pequenina. Só deveria entrar no ano seguinte mas os meus pais tinham decidido pagar não sei que taxa que lhes permitia mandarem-me para a escola um ano mais cedo, ou seja, antes de completar os 7 anos o que só iria acontecer na primeira metade do ano seguinte. A aula era mista e tinha mais de 40 alunos e alunas. A aldeia era pequena e eu conhecia-os todos embora não costumasse brincar com eles. Por um lado era mais pequena. Por outro lado eu vivia numtipo de gueto em que não me era permitido conviver senão com as da mesma "igualha", ou seja, o irmão, os primos e primas e... nada mais. Mas costumava vê-los passar e brincar na eira em frente da minha casa. O nariz esborrachado na vidraça e enquanto ninguém dava por isso lá em casa, seguia com os olhos as brincadeiras do pião e da bola e do saltar à corda que me estavam vedados já que eu era a maior dos da minha "igualha" e não conseguia por os mais pequenos nessas brincadeiras. Por isso, pensei que ir para a escola iria permitir-me brincar com os outros, ser uma deles. Não sabia que eles não me aceitariam nunca como igual. E, nessa altura não compreendi e iniciei um caminho que, durante muito tempo e talvez para sempre me afastou e afastou até hoje não saber nada deles apesar de continuar a ir à aldeia em que cresci e fiz toda a escola primária sentindo-me sempre sozinha e diferente por razões das quais nada sabia e que hoje, e desde há muito, vejo e sinto como completamente sem razão.

Gilia disse...

Sim, bata castanha, embora existissem outras escolas com batas de outras cores. Pelo que me lembro eram de cor de vinho e as amarelas. Tudo dependia do ano :)
Naquele tempo sabiamos que as estações não falhavam e a partir de 15 de outubro já estava fresquinho.
Enfim, cada um com sua realidade.
Mas nunca tive briga, nem choro.
Adoro o conhecimento e a escola dava isso :)
Beijinhos e bom dia para todos

Kuskas disse...

Lembro-me de estar com o penteado "2 tótos", branquela deslavada e toda cheia de mim, porque ia para escola TAMBEM. É que eu já tinha 2 irmãos que já andavam no primário e eu queria porque queria ir para escola também.

Durante minha vida de estudante fui conhecida com CDF, ahahahah

Ao contrario da maioria eu NUNCA "detestei" a escola ou mesmo estudar.

A minha 1ª vez não foi muito traumatizante porque existia no meu bairro um professor de primária que durante as férias grandes( lá para Agosto) recebia alunos para os " desenburrar" antes das aulas começarem em Outubro.

Bons tempos aqueles...

Eileen disse...

Ah, Dudão, já te estou a imaginar naquela "malcriação" a "infrontar" a tua mãe para não se ir embora... tu que já tinhas partilhado a primeira classe comigo... hihihi

Eileen disse...

Cristal, lembrou-me que há alguns anos, havia a questão das turmas serem mistas ou não... Que solidão deve ter sentido... acho que principalmente nessa idade, ter alguma diferença (seja por sermos mais velhos/novos, altos/baixos, introvertidos, magros ou gordos, ricos ou pobres, etc) sempre joga contra nós em vários sentidos... mas também nos ensina a sermos mais fortes, ou a descobrirmos outros mundos, como o nosso mundo interior... é ou não é?

Eileen disse...

Gilia, choro eu também acho que não chorei. Mas lembro-me de ir visitar o meu jardim de infância às vezes e pensar que, afinal, lá é que era mesmo divertido...

Eileen disse...

Kuskas, fartei-me de rir com essa do "desemburrar". Então entraste na primária a saber escrever? Qual é que foi a tua escola, já agora?

Também ia muito de 2 totós...

Kuskas disse...

Eu estudei no Polo nº 8 de Monte Sossego. Pelo menos até 2 anos atras ainda era a maior escola primaria de Sao Vicente (com 36 turmas acho!?!??)

Entrei na 1ª classe já sabia as letras todas, já sabia escrever o meu nome e ja sabia contar. E olha que entrei com 5 anos, pois sou daqueles 2 primeiros meses do ano.
Para todos os efeitos eu tinha 6 anos e foi lá pela 3ª classe que a minha professora "corrigiu" a minha data de nascimento ahahahah

Pensas que achavamos ruim ir para as aulas de "desemburrar"? Era a maior festa. O professor o "Bitim", era um homem muito sábio. E adorava ensinar...

Por falar em tótos, quando vejo as fotos daquela época, tomo nota para nunca pentear a minha filhota daquele jeito.
AS fotos são hilárias, mas atira a 1ª pedra a mulher a quem nunca pentearam 2 tótos quando criança...

Anónimo disse...

Eu lembro-me e já lá vão muitos anos! Foi em Coimbra, no Externato João XXIII! Bata branca, meias brancas com "pompons" e os famosos totós com caracóis. Debaixo da bata tinha uma saia escocesa, de tons verdes e uma blusa branca, já roupa quente, porque em Outubro, em Coimbra, já fazia frio e o tempo era muito húmido. Entrei numa sala que tinha um crucifixo na parede! A professora estava impecavelmente uniformizada, com uma bata branca, o cabelo muito bem penteado e apanhado atrás, como uma banana. Chamava-se Teresa e, por sinal, estava grávida Isso conferia-lhe um ar misterioso! Encontrei alguns dos meus colegas da Pré-primária. A turma era uma turma composta, ou seja, duas classes numa mesma sala! O Interessante é que tenho ouvido recorrentemente em Cabo Verde que as turmas compostas são para eliminar. Aprendi, da minha própria experiência, que havendo uma boa metodologia, estuda-se muito bem numa turma composta e, digo mais, aprende-se muito mais, porque consegues captar os teus ensinamentos e o da classe mais avançada. Para mim foi perfeito e cheguei a ganhar prémios porque muitas vezes respondia mais rápido que alguns alunos da outra classe. O meu colega de carteira era o Rui Filipe e eu era a única "moreninha" da turma, de forma que comecei logo a ouvir uns mauzinhos a chamarem-me de "Preta da Guiné". Mesmo assim, como sempre gostei da escola e de estudar, rapidamente mereci o carinho e a amizade de todos.
Nessa escola fiz o ensino primário (4 anos), toquei piano, fiz bailado, dancei folclore, toquei flauta, estudei inglês, tive aulas de culinária, rendas e bordados e pintura. Estudava o programa curricular de manhã e à tarde tínhamos o Salão de Estudo, onde aprofundávamos as matérias e onde nos possibilitavam todo o tipo de actividades extracurriculares. Do primeiro ao último dia fui muito feliz, aprendi muito e devo muito a essa escola do que sou como pessoa, como cidadã, como profissional e como mãe.
Elizabeth

João Branco disse...

Eileen, tenho uma memória péssima, mas lembro-me como se fosse hoje. Sentei-me na primeira carteira do lado direito, aquela mais próxima da porta. Quando a vigilante saiu, subi para cima da dita cuja e comecei a fazer uma dança pseudo-erótica, tirando a roupa. Felizmente, não cheguei ao final do acto propriamente dito. Esta vontade de ser o centro das atenções, vem de longe, muito longe, fazer o quê?!

Depois as crianças novas foram distribuidas pelas salas e eu lembro-me da sala, do lugar que ocupei e sei, certamente, que na escola primária passei alguns dos melhores momentos da minha vida.

Nunca mais tive a tentaçao de tirar a roupa em publico.

Abraço fraterno

JB

Eileen disse...

E em casa, João, tinhas esses vipes com as tuas primas? hihihi