Soncent

Soncent

segunda-feira, 31 de maio de 2010

MSN aberto ao Gilson

Ó Gilson, a tua carta está tão esquisita, tão esquisita, que eu estou a apostar que não a escreveste sozinho. Pois quem não se lembra dos teus famosos comentários, cá no blog, a mandar vir sobre os cabo-verdianos, a dizer que nos odeias a todos, para de repente nos vires chamar de compatriotas e camaradas?

6 comentários:

Anónimo disse...

Um dia vieram e levaram o meu vizinho que era mandjacu.
Como não sou mandjacu, não me incomodei.

No dia seguinte, vieram e levaram outro vizinho que era comunista.
Como não sou comunista, não me incomodei. No terceiro dia vieram e levaram o meu vizinho social-democrata. Como não sou social-democrata não me incomodei.

Quando vieram buscar os sindicalistas não disse nada não sou sindicalista.

Quando vieram e me levaram comecei a vociferar, a protestar, a gritar que alguém me ouvisse e ajudasse mas ...já não havia mais ninguém.

FORÇA GILSON ! Mesmo que tenhas cometido alguns erros de desconsiderar os caboverdeanos aprendetes (da pior forma possível) que és um deles e que portanto não vale a pena negar o que es.

A parte inicial do comentário tambem ser para a autora do blog. Vai ficando indiferente até o dia que "vierem bucar-te tambmém".

Eileen disse...

Meu caro, eu não estou indiferente. Nem poderia estar, visto que este blog é visitado com relativa frequência pelo Gilson. Fiz o comentário que fiz e creio que é válido. Não expus o que penso de toda a situação; não tenho informação suficiente. Mas a que tenho permite-me dizer o que disse e ir-me embora descansada. OK?

Gilson disse...

Como é baixo esse rancor e agora, como parece, a vingança.
Estou triste e desiludido contigo e não me esquecerei dessa tua atitude.

Eileen disse...

Em Novembro de 2007...

"Gilson Alves disse...
Sou este Gilson: "Gilson Alves, o que há tempos disse uma série de coisas fortes neste blog, do género de Cabo Verde só ter incapazes e de nos detestar-nos a todos, oriundo de tal sítio, cujas características físicas mais marcantes são esta, aquela e a outra, e as psicológicas, essas e outras, etc".
(...)

Já não vinha a este coiso há muito e já não me lembrava destes desabafos. No entanto, infelizmente, faço-te sabida de que nada mudou em relação ao estado de coisas. Porquanto, já não são o meu problema (ou melhor, já não me importo com os vossos problemas) e, durmo muitíssimo bem com isso. Em outras msg, Eileen, já te tinha mostrado que não estava a pensar nos comentários que eu fiz. Fi-los e já não importam. Trazes tudo de volta com uma aleivosia danada, no entanto. O que me farão vocês no dia em que nos reencontrarmos? Porrada, imagino. Já não penso muito em vós. Por causa da vossa incompetência, a minha mãe faleceu e se eu pensar muito em vós, odeio-vos ainda mais.

2:59 PM
Eileen disse...
Gilson Alves: Lamento imenso que a tua mãe tenha falecido, mas lavo daí qualquer responsabilidade. Faço votos de que encontres uma pátria melhor que te acolha. Não sei o que te acontecerá se cá vires. Espero que, a acontecer, seja uma destas situações:
1. Que te tratem tão bem, te dêem tanto carinho e tanta morabeza, que engulas, com lágrimas de arrependimento, as atrocidades que afirmas
2. Que te tratem com igual desprezo, que te vás embora emburrado e não voltes mais, nem percas o teu tempo a falar de nós.
3. Que tenhas uma ambulância à tua espera no aeroporto e psiquiatras competentes possam olhar por ti e devolver-te a paz que pareces precisar.

3:23 PM
Gilson Alves disse...
É oficial.
Foi iniciado o meu processo de renúncia da nacionalidade Cabo-Verdiana. Talvez o primeiro Cabo-Verdiano a fazer um pedido destes. É só um primeiro passo. Marter-vos-ei a par. Não sei se já repararam, mas é só uma forma radical de vos magoar. Cabo Verde não tem perdido verdadeiramente muito. Mas é desta. Ao menos posso dizer que já não me têm."

Não é rancor, talvez seja mágoa e já não é de hoje que eu também estou triste contigo. Como é que fazemos?

Anónimo disse...

Há/Houve algo entre vocês os dois que não é somente "comentários de blog" suponho. Dá para entender o ódio que vocês nutrem um pelo outro. Por ai já houve coisa da grossa.
Enfim eu que nunca vi Gilson mais gordo continuarei a defendê-lo por ele ser Caboverdeano !

Anónimo disse...

Nem sei como é possível que ainda pessoas a perder tempo com o Gilson Alves, já é um caso perdido, vive no mundo dele, nem se quer deveria ser permitido o abandono do acompanhamento psiquiatro, devia estar a responder um processo por ter atacado o seu colega do Hospital São João com uma arma branca, ou mesmo por violência domestica das vezes sem conta que agrediu a sua namorado no Porto... será que é mesmo inocente neste ultimo caso?
Porto