Soncent

Soncent

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Com reportagens destas, quem precisa de inimigos?

A "reportagem" do Jornal a Nação desta semana aterra-nos com a prostituição no Mindelo, que se arrisca a tornar-se capital do turismo sexual, segundo o jornalista.

Dados estatísticos? Para quê, se ele cita duas fontes não reveladas nem reveladoras?

Revelação para mim foi ele mesmo dizer que ninguém mais quis comentar o fenómeno, por não terem conhecimento dele. Só um vereador da Câmara Municipal, que não acrescentou em termos profissionais ou técnicos, apesar de psicólogo de formação.

Prostituição há em todo o sítio e tem-se que ter muito cuidadinho a falar nisso. Ele descreve as novas prostitutas como "Macacas", mulheres cultas, bem vestidas, com apartamentos bem mobilados, móveis de última geração, que só dormem com quem querem e aceitam presentes."

Macaca porquê? Este deve ser o sonho de consumo de qualquer meretriz.

Eu digo, menos mal, porque antes, quem se prostituía passava fome, era doente, não tinha por onde escolher, e, por azar e ignorância, engravidava do desgraçado.


No fundo, no fundo, senti foi ligeireza na forma como o assunto foi tratado; uma reportagem de capa ser tão assim pobre e com consequências tão más para a ilha e o país. E com base em quê?

13 comentários:

CODY disse...

parece que isto não é lido por ninguém. O comentários everywhere. Apesar de eu estar a comentar, não li nada de nada (excepto os títuylos que já dizem tudo da pieguice tua). Devias encerrar isto. Parece que estás a masturbar-te.

G.Silva disse...

Hmmmmm....tenho a impressao que isso é um perfeito exemplo de sensasionalismo jornalístico! Gostei da forma como abordaste o assunto. Abraço!

Eileen disse...

Ah, Cody, poder-se-ia dizer então que vivo os meus dias para momentos como este, em que aparecem uns bacalhaus à deriva e deixam comentários frescos e cheirosos como o teu.

H.Rodrigues disse...

Realmente a reportagem do Eduino sobre a nova prostituição em S.Vicente não tem nexo. Tenta dar a conhecer uma situação nova com a mais antiga profissão do mundo que de novo não tem nada. Tenta vincular o novo modus operandi de prostitutas á ilha de S.Vicente, não sei com que itenções. Impressionar quem nunca esteve cá? Prejudicar quem? Quer fazer paracer que isso foi inventado cá, mas contradiz-se ao comparar as mulheres que ele chama da macacas ás garotas de propagenda do Brazil... que fazem melhor que isso desde os tempos que nós só tinhamos Bambas... Todos sabemos o que vem com o desenvolvimento e o Eduino errou o alvo ao tentar um furo de jornalismo. Que ridículo! A prova é que para além dele, ninguém mais parecer reconhecer a coisa nos moldes em que el a expõe...Porque será?

Eileen disse...

G, fiquei muito contente com o teu comentário e por ter descoberto o teu blog, que eu ainda não conhecia.
Saudades tuas!
Bijins!!

Eileen disse...

H. Rodrigues, estamos na mesma onda. O Jornalista falhou, o Jornal falhou. Tiro no pé.

Isa disse...

Eilass lembra k em terra de cegos kem tem 1 olho é rei. Kada um ta ta xcuí u ke el ta credita. Nô ta num país em vias de dsenvolviment, num sitema capitalista. Por iss no tem aberração moda ess reportagem. Chpia boia, traficant ê recibid k tapete vermelhe inclusive es ta financia campanha eleitoral e drogod ê uns leprose, um alvo a destruir. Duhhhh. Am ka ta stranha nada ness terra. CV tita faze concorréncia pa Twin Peaks.

JB disse...

A grande novidade dessa reportagem é não ter novidade nenhuma e ser escrita como se fosse uma grande novidade.

Eileen disse...

Assim é, JB. Há muito que não aparecia por esta freguesia...

Caboverdiano disse...

Olá Eileen!Obrigado pela resposta.
Estou com saudades tuas e do pessoal da terra. Enfim, coisas dum "criol", estod longe de sis gent, hahahaa. Abrass!

Eduardo disse...

oi Eileen, há mto q não passava aqui. por acaso li a reportagem este fds que alguem trouxe de CV. achei demasiado dramático e sensacionalista, um tanto utópico na descrição. além da escrita ser um pobre. lembro-me que durante a leitura só me ria dos textos.... SV agora é Macau?

Eduardo disse...

esqueci-me de dizer que a reportagem não trouxe nada de novo, tudo d velho. bombástico seria revelar o nome das macacas... hehehe
fiquei sem perceber se o termo macaca é um nome de código do meio ou deliberadamente escolhido pelo repórter?

Eileen disse...

Eduardo, seu engratão! Já tinha saudades tuas por cá.
Pelo que percebi, serão as próprias macacas a auto-intitularem-se...
Beijão!