Soncent

Soncent

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Regresso às vírgulas

Lá onde os dias escorrem, lá onde alumia ainda o sol, pode sempre haver regressos aos sítios onde fomos felizes. Um dia como hoje, onde, no meio de muita coisa me vim acolher ao Soncent e lendo um ou outro post, me deu uma saudade de escrever, tal como costumava, com liberdade, de improviso, com alegria! 

Porquê tanta ausência? Ele é o trabalho, ele é o sentir que já ninguém lê, ele é ter que sair do Gmail para fazer log in no Blogger. Que canseira! Deve ser, principalmente, sentir que ninguém lê. 

Porque quando suspeito que alguém vai ler, quando imagino essa pessoa a levantar-se de manhãzinha e a ir, precariamente porque morta de sono, sem nem enfiar as pantufas, em direção à casa de banho e alguma coisa no seu reflexo do espelho lhe sussurra que hoje, por uns minutos, em vez de ver posts dos almoços de cada um, das publicidades disfarçadas, dos artigos de opinião mal amanhados, hoje, por uns minutos, se vai sentir tentada a ler um blog, um lugar onde ela também foi feliz... Então venho eu a correr, sem nem me ver bem ao espelho para pentear a minha cabeleira mediana, que cai pelos ombros, sedosa, macia, encaracolada e crespa, venho, dizia, correndo, sem amarrar as sapatilhas, sentar-me, escrever uma coisa fresquinha, sem nem pôr os óculos, inventar umas rimas, sorrir numas frases compridas, sem nem meter as vírgulas.